Pesquisar neste blog

Mostrando postagens com marcador professorando. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador professorando. Mostrar todas as postagens

sábado, 26 de agosto de 2017

Pérolas da docência: pensamentos de crianças





Entrego uma folha sulfite branca para o pequeno e giz de cera de várias cores, ele escolhe o branco, eu não falo nada, somente observo. Desenha de um jeito, de outro, olha para o giz e como que inconformado por não ver o seu desenho me pede ajuda dizendo:
-Prô, aponta o giz?
Inevitável foi não rir. As reflexões dos pequenos encantam!


Resultado de imagem para giz de cera branco

sábado, 5 de agosto de 2017

Professorando: sobre a sinceridade

Pérolas da docência: sobre a sinceridade

Com três anos o pequeno me pede com voz mansinha:
-Prô, você poderia fechar a minha mochila por favor?
Olho para ele com expressão de admiração pelo pedido educado, rapidamente, ele percebe e diz:
-Prô, eu sou lindo não é mesmo?!

Sorrio e abraço, tem como não ser lindo, um pequenino desse?


Resultado de imagem para mochila infantil

domingo, 17 de julho de 2016

Abastecimento


Felicidade é saber que amanhã você verá 25 motivos para tornar sua manhã mais feliz.  Será uma manhã para abastecimento de amor!



 



Maturidade é saber colocar sua felicidade onde o vento não pode abalar é se abastecer daquilo que não acaba...


segunda-feira, 4 de julho de 2016

Conversas escritas



Resultado de imagem para agenda escolar



Ser professora é conversar cinco meses com uma mãe pela agenda e após isso encontrá-la e descobrir que não é nada do que imaginou. Ser professora é por vezes, conhecer a letra, o nome, interpretar a forma que a mãe está pela forma que escreve e conhecê-la  pessoalmente depois disso.



Que lindo é a imaginação que a escrita nos proporciona. Em um tempo de whatsApp eu ainda me comunico escrevendo e aguardando um, dois ou até uma semana para saber a resposta.

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Amor pedagógico


Não haviam me contado, mas aprendi professorando que no primeiro dia de aula,
todas as crianças são apenas todas as crianças...Com o passar dos dias elas
vão se tornando singulares, ocupando nossos corações  de um jeitinho todo especial!
Em poucos meses elas alargam meu coração
para poderem morar nele!
Pedagogicamente passo a amá-las
Ao final do ano letivo,
está eu lá chorando
por ter que deixar
cada criança
singular e
única.

domingo, 2 de novembro de 2014

Professorando 4: relatos escolar da vida de uma professora

Continuando o relato da minha vida escolar...

No terceiro ano de UNESP, iniciei os estágios curriculares obrigatórios, iniciei pelo fundamental (pelo fato de gostar mais) voltei para a escola que tinha realizado estágio remunerado e contei histórias nos três meses que frequentei a escola. Posteriormente, estagiei em um berçário e depois na EMEI, a unidade escolhida foi a que eu estudei com cinco e seis anos.
Além disso, em 2011, também fiz aula de teatro, em uma aula a professora trabalhou com as emoções que fez com que eu contasse a minha história, assim, contei a história do que eu senti em voltar em um lugar que tinha estudado há 15 anos. Após contar a história, a professora de teatro pediu que eu a escrevesse e ela foi lapidada da seguinte forma:




Minha história: Presente e passado entrelaçado

Conheço uma menina que resolveu voltar para a escola que ela tinha estudado há 15 anos, porém dessa vez ela não era denominada como aluna, mas sim como estagiária.  A menina entrou na escola ansiosa para encontrar algo que lhe parecesse familiar, então ela olhou para o pátio e lembrou que era nele que ficava sentada em fila esperando sua mãe chegar, quase sempre ela fixava o olhar no portão procurando a mãe que nunca era a primeira a entrar.
-Hei Pedro, sua mãe chegou! Carla agora é a sua- dizia a menina.
Após alguns minutos que o portão tinha sido aberto a menina continuava sentada esperando, e enquanto isso ela brincava de “caminhão de laranja”, “babaloo” e tantas outras brincadeiras que utilizavam as mãos. Mas agora já tinha se passado 15 anos, ela olhou para a direita procurando o “parque” e encontrou as gangorras, os balanços, mas não encontrou o brinquedo que ela mais gostava: o trepa - trepa, que permitia que ela ficasse mais alta que os adultos.
            Ela olhou para a esquerda, procurando a piscina que tanto gostava, entretanto encontrou uma quadra no lugar da azul piscina que era utilizada poucos dias no mês.            Sem desistir de encontrar resquícios do passado a menina colocou-se nas pontas dos pés e inclinou o corpo procurando enxergar o extremo da escola, e então ela sorriu, ao perceber que ainda tinha algo que permanecia da mesma forma, era  o tanque de areia. No mesmo instante ela imaginou-se garotinha, sentada em meio aquele marrom todo, ela tocava aquela areia que escorria por seus dedos. A garotinha adorava construir castelos das histórias que a professora contava, era “Cinderela”, “Bela e a Fera”, “Branca de Neve” e tantas outras histórias.
            Ela sempre pensava:
            - Esse castelo será da “Chapeuzinho Vermelho”, coitada não teve príncipes e nem castelos.
            Enquanto pensava também fazia muro, pontes e duas portas para o castelo.
            Quando cansava de fazer castelo, pegava o balde enchia de areia e misturado com imaginação, aquela areia virava bolo de morango, bolo de chocolate, e se encontrava um graveto ele logo era transformado em vela de bolo de aniversário e se quisesse uma festa era só chamar os colegas da classe que prontamente cantavam parabéns, e na hora de assoprar a velinha diziam:
            - Assopra mais forte igual ao lobo mau dos três porquinhos.
            Mergulhada em sua imaginação, ela voltou para o pátio e levou o olhar para o lado, foi quando ela paralisou, não acreditava no que estava vendo, em um momento tudo parecia ter voltado 15 anos da sua história, a menina tinha encontrado a professora de quando era aluna daquela escola. A professora não tinha mudado, continuava com o mesmo cabelo a mesma pele e mesmo sem reconhecer sua aluna do passado, a adorável e serena professora esboçou um sorriso singelo e simples, naquele momento passado e presente se entrelaçava, foi quando a professora disse:
            - “Hei turma, vamos turma tomar o lanche...”
            Ela olhou para a sua ex-aluna, e disse
            -“essas crianças!”
            A menina permaneceu observando a professora, seguindo-a com o olhar e procurando alguma coisa do passado. Até que percebeu que a professora não era mais a mesma, apesar de aparentemente estar igual, algo tinha mudado, pois a professora que antes era admirada e considerada uma heroína que a pequenina sonhava em ser igual, agora parecia tão frágil.
            A professora não era a mesma, a menina tinha certeza. Foi então que a estagiária percebeu que fazia menos de 05 minutos que ela estava naquele pátio, e que nesse tempo ela tinha voltado quinze anos da sua história, passado e presente tinha se entrelaçado.
            Refletindo, a estagiária considerou que antes a professora parecia tão forte e grande porque a menina era pequenina e a olhava de baixo para cima, agora ela está do tamanho da professora e a olha frente a frente.
            Não sei se fiz certo revirar nas minhas memórias, que como um baú foi aberto no exato momento que olhei para aquele pátio na posição de estagiária. Se é certo fazer isso eu não sei, mas de uma coisa eu sei: esse baú continua aberto, para tantas e tantas HISTÓRIAS, tantas e tantas MEMÓRIAS.                            

                                                                                                  Aline de Novaes
                                                                                             23/08/11

            Essa história representa uma etapa muito importante da minha vida e realmente o baú de memórias continua aberto...Em breve continuo a proposta do "Professorando", postando sobre minha escolha em ser professora!

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Professorando 3: relatos escolar da vida de uma professora

Continuando o relato da minha vida escolar....

Nossa surpresa aconteceu na quinta série, quando voltamos para o Baptista e as turmas estavam mescladas entre os alunos do Baptista e do Maria sttela. No início ficamos apreensivos, mas depois vimos que foi algo positivo, pois após alguns meses, estávamos  amigos e nem entendíamos por que tínhamos rixas na quarta série.     Nessa série tivemos uma professora que nos abandonou, ela estava grávida e dizia que não aguentava a bagunça, um dia ela chorou na sala de aula. Ao contrário dos outros anos, a indisciplina era muito grande, os alunos falavam alto, andavam, brigavam, e pegavam os materiais escolares que não o pertenciam.
            No decorrer dos anos, eu sentava na primeira carteira, fazia todas as atividades e buscava junto com minha amiga, tirar a melhor nota. Na sexta série, recebi 4.75 em matemática foi a minha nota mais baixa, quando descobri chorei e pedi para a professora aplicar uma prova de recuperação, a professora disse que aplicaria no dia seguinte e então eu estudei a noite inteira e consequentemente consegui acertar todas as questões e tirar nota 10.
            Na sétima série, eu conheci uma amiga na escola que de certa forma mudou minha vida, pois ela fazia teatro e dizia que lia muitos livros, assim, comecei a fazer teatro, e também queria ler todos os livros que existissem na biblioteca, eu achava um absurdo não ter lido nenhum livro com 13 anos, então comecei a emprestar livros da biblioteca.            Toda semana eu pegava um livro como: Pollyana, Pollyana Moça, A marca de uma lágrima, Amor impossível possível amor entre tantos outros, após alguns meses, lia os livros do Pedro Bandeira em apenas uma tarde. No intervalo das aulas eu conversava com a uma amiga sobre os livros que estávamos lendo, eu aprendi a gostar de ler com ela, pois ela falava com prazer dos livros que lia. Uma tia minha incentivou esse gosto e me deu uns livros considerados clássicos da literatura, assim, sem saber dessa característica eu li Dom Casmurro de Machado de Assis e depois fui conversar com a minha professora de português perguntando: “professora, aquela história é verdade? Porque ele fala na primeira pessoa”, a professora explicou que a história não era verdadeira e aquela era a forma que alguns escritores escreviam.
            Essa professora de português não ensinava muito sobre livros, mas ensinava sobre a análise sintática de frases, a forma e o conteúdo que ela utilizava está gravado em minha mente. Ela era muito rígida e exigia silêncio absoluto, pois dizia que sua enxaqueca se manifestava com o barulho. Assim, não podíamos conversar e ao chegar à sala de aula ela esperava silêncio, em seguida, escrevia o conteúdo na lousa, enquanto copiávamos ela explicava e depois fazíamos atividades.
            Talvez o diferencial dela em relação aos outros professores é que ela realmente dominava o conteúdo e respondia todas as perguntas que fazíamos. Apesar de ser uma ótima professora, não gostávamos de ter aula com ela, pelo fato de ser cansativo ficar em silêncio por 50 minutos.
            Quando a professora repreendia-me eu ficava pensando e repensando que deveria ter sentado, ou ter falado menos. Eu era disciplinada, e qualquer apreensão dos professores fazia com que me sentisse mal e pensasse: “amanhã ficarei em silêncio”.
            Na 8ª série, gostei muito da formação da turma, pelo fato de conhecermos uns aos outros. Havia alguns meninos que eram muito engraçados, ríamos todos os dias, porém às vezes ficávamos tristes, pois sabíamos que no ano seguinte a sala seria transformada, pois muitos alunos mudariam de escola.
            Nesse ano, fizemos camiseta, com a seguinte frase “não somos melhores e nem piores somos apenas diferentes”, nos sentíamos diferentes, pois éramos uma sala unida. Essa união, fez com que a turma fosse castigada, pois uma menina da nossa turma rasgou o caderno de ocorrências da escola, então a diretora foi até a sala e perguntou quem tinha feito aquilo, nós sabíamos quem era, mas não contamos. A diretora começou a ameaçar, fingiu que ligou para a polícia e por fim disse que ficaríamos sem participar do interclasse, que era um período do ano que ocorria jogos entre as classes (futebol, vôlei e outros).
            Na minha sala tinha os melhores jogadores de futebol da escola e esperávamos com muita expectativa os jogos, mesmo o jogo sendo tão importante para a sala, ninguém contou quem tinha rasgado, e a diretora disse: “Se vocês não contarem ficarão sem interclasse” e assim não participamos dos jogos. Uma amiga minha e eu apresentamos um teatro para representar a turma no interclasse e o tema do teatro era provar que todo adolescente queria aparecer.
            Fazíamos festa da primavera na escola, vendíamos bolo, brigadeiro, refrigerante para arrecadar dinheiro para a formatura, esse dinheiro era administrado por mim e por uma amiga, no final do ano a turma foi para um parque aquático com o dinheiro arrecadado e nos divertimos muito.    Na formatura, mais precisamente no dia da colação, escrevi um texto que foi corrigido pela diretora e  assim pude lê-lo em homenagem aos professores que gostaram de tal ato. Além disso, teve premiações para os três melhores alunos de cada turma e eu recebi uma medalha de “Honra ao Mérito”, os demais alunos disseram que já sabiam que eu receberia.
              Os alunos, pediam meu caderno para copiar a matéria em casa e pediam que os auxiliasse na resolução dos exercícios, eu auxiliava com alegria, porque gostava de ensinar. No primeiro ano do ensino médio, permanecemos na mesma escola que também passou a atender o 1º, 2º e 3º ano do ensino médio, fomos surpreendidos quando percebemos que eles tinham formado uma sala com os melhores alunos, eu estava inclusa nessa sala e as outras classes nos chamavam da sala dos CDFs; a equipe escolar negava, mas nós sabíamos que era a verdade.
               No segundo ano do ensino médio, comecei a trabalhar e mudei para uma escola que atendia no período noturno, a escola também era estadual e era denominada “Baltazar de Goy Moreira”. Minhas recordações dessa época são mais negativas do que positivas.             No terceiro ano do ensino médio, eu chegava à sala cansada e a sala tinha muita desordem, barulho e bagunça. As maiorias dos professores não se importavam muito e ao contrário da outra escola eu não queria relacionar-me com eles.
            Havia um professor, que realmente se interessava e queria que aprendêssemos, seu nome era Tolói, cuja aula era agradável e demonstrava um grande domínio da matéria (o que não era comum entre os outros professores). Esse professor era um dos mais respeitados pelos alunos, não por medo, pois ele era um dos poucos que não gritava e raramente ficava nervoso, dessa forma o respeito era em decorrência da grande admiração que os alunos tinham por ele, mesmo os que não se interessavam pelos estudos o admiravam dizendo que ele sabia muito sobre história e demonstrava segurança sobre o que falava, outra característica dele era que não faltava às aulas, ele foi meu professor por dois anos, e não faltou nenhuma vez, (já com os outros professores não se pode dizer o mesmo).
            Ao descobrir que eu tinha escolhido pedagogia como curso superior, ao contrário dos outros professores, ele me incentivou bastante e disse algo que sempre irei lembrar: “Não importa o que você fizer, no mundo precisamos desde o pedreiro até o médico, mas se você escolher ser um pedreiro então você deve ser o melhor pedreiro, assim como o médico e as demais profissões”.
            É impossível falar da minha trajetória escolar e não citar o nome do Tolói. Ele respondeu todas as perguntas que eu fazia, mesmo se a aula era sobre segunda guerra mundial e eu perguntava do descobrimento do Brasil, ele respondia e nunca disse que não estávamos trabalhando com aquele conteúdo. Quando tínhamos aula vaga uma amiga minha e eu, pedíamos para ele responder algumas dúvidas e ele fazia prontamente.
            Comumente eu costumava dizer que nos dois últimos anos do ensino médio, a escola tinha atrapalhado e não ajudado meu aprendizado, assim ao perceber como o ensino era precário, comecei a estudar sozinha frequentando todos os dias, a biblioteca municipal da cidade de Marília.
                   No ano seguinte, estava com 17 anos “entrei” na UNESP, passando em sexto lugar no vestibular, apesar de algumas invariantes como: estudar apenas em escola pública, estudar no noturno e ter trabalhado nos últimos dois anos, não ter feito cursinho pré- vestibular e estar saindo do ensino médio.
               Na UNESP, rapidamente me acostumei com a forma diferenciada de ensino, tínhamos que ler um texto que posteriormente era explicado pelo professor, assim, na aula o texto era exposto mesclando com nossas dúvidas. Eu adorava o fato de já ir para a aula sabendo o conteúdo que seria tratado, e conclui que era mais fácil aprender quando eu já tinha uma breve noção sobre o tema.
                  Os professores instigavam nossa criticidade e eram constantes os debates, que ao contrário da escola não alterava em nada as afinidades, desse modo, eu poderia discordar da minha amiga e apresentar argumentos para tais discordâncias, mas isso não mudaria nossa amizade. A forma de avaliação era diferente, não tive provas, mas trabalhos e seminários que inicialmente resultavam em um certo receio.
          
Em breve postarei sobre um texto que elaborei a partir da sensibilização em uma aula de teatro...

sábado, 18 de outubro de 2014

Professorando 3: relatos da vida escolar de uma professora




Escola Baptista


Continuo a descrição do Ensino Fundamental ciclo I


Na segunda série, a professora era bem organizada, sistemática e brava, ela não permitia que os alunos conversassem entre si, mesmo quando tivessem terminado as atividades. A professora da terceira série se chamava Vera Lúcia, ela era muito dedicada e carinhosa, essa professora permaneceu com a turma por dois anos, ou seja, ela também foi a professora da turma na quarta série, devido as afinidades eu e mais três amigas tínhamos seu número de telefone residencial, ela também nos disse que quando quiséssemos poderíamos visitá-la em sua casa  (nós fomos no ano seguinte e ela nos recebeu muito bem).                                                                                                       
          A professora Vera, fazia com que eu recordasse da professora Sônia, da primeira série, eu gostava muito dessa professora da terceira e da quarta série, principalmente quando ela solicitou que eu ajudasse aqueles que estavam atrasados (quando eu terminasse) eu gostava de ajudar e nunca dava as respostas aos alunos, mas ensinava-os a encontrar.
            Na quarta série, nossa turma teve que mudar de escola, pois essa escola começou a atender de quinta a oitava série. Com isso, foi formada uma turma só de alunos da Escola Estadual “Antônio de Baptista”, que foi enviada para a Escola Estadual “Maria stella de Cerqueira César”, que não era bem vista pelos nossos pais, pelo fato de atender crianças carentes já que se localizava próximo a uma favela.
            Tínhamos as piores referências daquela escola, quando chegamos os outros alunos se posicionaram contra a gente e então a nossa sala se uniu. Ficávamos o tempo todo juntos, inclusive no recreio quando nos reuníamos para lanchar e depois brincar, a brincadeira preferida era pega-pega com o pé, ou seja, ao invés de relar em qualquer parte do corpo da pessoa tinha-se que relar no pé.
            Não podíamos nem olhar muito para os alunos das outras turmas, pois tínhamos medo de que eles quisessem nos agredir. Nos jogos entre as classes, (que eram chamados de interclasse), nossa sala ganhou na queima e por isso, a outra sala quis brigar com a gente. Nesse dia, lembro-me da metade da sala chorando porque estava com medo de apanhar na saída, nos sentíamos um corpo estranho naquela escola. O único benefício que tínhamos era a professora Vera, intercedia a nosso favor.         


            Nossa surpresa aconteceu na quinta série, quando voltamos para o Baptista e as turmas estavam mescladas entre os alunos do Baptista e do Maria stella...



Amanhã continuo...

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Professorando 2: relatos da vida escolar de uma professora

Após a Educação Infantil, hoje, apresento a 1ª série do Ensino Fundamental:




Capa do meu primeiro caderno
Anos depois, fui para a primeira série do ensino fundamental, eu tinha 7 anos  e fui estudar em uma escola estadual que atendia de primeira a quarta-série. Como apresentava muita curiosidade em relação ao ensino fundamental, perguntava para a minha mãe que dizia que tinha recreio e que se usava cartilha (com a história do  bebê e da vaca). Ela me aconselhava a sentar na primeira carteira e tomar cuidado com os meus materiais escolares.
            No primeiro dia de aula, almocei e junto com a minha mãe fui para a escola.           Na escola, ao procurar meu nome na lista, minha mãe descobriu que eu estava matriculada na primeira série B que se encontrava na sala 2, com a professora Sônia, minha mãe disse para eu entrar e falou:
“- Aline Não se esqueça de sentar na primeira carteira”
            Essa frase ficou gravada em minha mente e até hoje sento na primeira carteira, outra frase que ela dizia e também ficou gravada era:
“-A Aline vai estudar tanto que vai até sonhar com os números”
            Frase verdadeira, pois já sonhei com números, geografia, história, português e tantas outras matérias.  Enfim, sentei na fileira do meio na primeira carteira. Minha mãe ficou observando e depois de um tempo foi embora, senti-me segura com ela me levando pelas mãos e me instruindo quanto o que deveria fazer.
                     Não demorou muito para eu estar alfabetizada, para ser mais precisa foi antes do segundo bimestre, meses depois a professora pediu que escrevêssemos nosso primeiro texto  que seria anexado na pasta de produção de texto. Para isso, em uma folha de caderno, ela colou desenhos diferentes e pediu que escrevêssemos uma história sobre o desenho, meu desenho era uma vaca e um senhor do lado com um balde de leite e um sorriso no rosto, então escrevi sobre a vaca Mimosa que dava leite para o vovô, fui uma das primeiras a terminar, e quando mostrei para a professora ela chamou a inspetora para ficar na sala e foi levar o meu texto para a direção.
            Não entendi o porquê dela ter mostrado para a diretora, mas depois desse dia ela perguntava sempre:
“Aline o que você quer ser quando crescer?”
            Eu respondia que queria ser professora, e ela dizia que eu deveria ser escritora. Eu achava engraçado e muito fora da realidade, pois nunca tinha conhecido alguém que era escritor.  Sabíamos exatamente os que tiravam melhor ou pior nota, eu era vista como inteligente e me chamavam de “CDF”, minha mãe participava de todas as reuniões e a professora não tinha reclamações.
                 A ida a escola era prazerosa, além disso, eu também gostava do diretor que era um senhor engraçado que constantemente fazia visitas às turmas, para conversar e contar piadas para as crianças. Os alunos o chamavam de senhor Zé.
            Com os colegas, eu tinha um bom relacionamento, conversávamos bastante e no final de semana brincávamos um na casa do outro, eu apresentava maior afinidade com o Hudson que sentava ao meu lado.


Amanhã continuo :)

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Professorando: 1 relatos da vida de uma professora

Olá queridos, quanto tempo não? Tenho postado brevemente ultimamente, entretanto o Senhor tem trazido vários temas ao meu coração, mas devido as urgências acadêmicas, o tempo está um tanto escasso.
Em breve postarei o que tem edificado a minha vida no momento. Hoje, um pouco atrasada, venho lembrar dos dias dos professores, pois de todas as comemorações eu não entendo quando alguém (ou até eu mesma) deseja parabéns para uma pessoa, sempre penso "Mas não foi Deus que sustentou? O Parabéns não é dele?", outra data que também não compreendo é as pessoas se presentearem no natal: peraí, o natal não é comemorado o nascimento de Cristo? Qual o sentido de presentear os outros? Apesar de não compreender essas comemorações, eu compreendo perfeitamente quando um aluno, uma mãe, um familiar, uma dentista, um amigo, um orientador deseja "Parabéns pelo dia dos professores".
Essa é uma profissão que deve ser parabenizada, é necessário coragem para ser professor, é claro que sou super suspeita de dizer qualquer coisa dessa área (por ser e por amar ser professora), mas vou postar algumas coisas sobre isso durante os próximos dias.
Para isso, iniciarei contando a minha trajetória com a escola de Educação Infantil até a Universidade, depois da minha escolha em ser pedagoga e de como o Senhor agiu na concretização dessa  escolha, em seguida, relatarei sobre como é ser professora e finalizarei trazendo alguns tópicos (singelos) sobre o maior educador e professor que se fez homem entre os homens: JESUS.
Bora lá? Rs




              Lembro-me do meu primeiro dia na educação infantil, tinha quase três anos e fui matriculada no período da manhã. Minha mãe levou-me chorando para uma Escola Municipal de Educação Infantil (EMEI) de Marília, quando chegamos agarrei a mão dela e não queria entrar, foi então que apareceu o vigia da escola e me segurou no colo levando-me para dentro; era um lugar com pouca luminosidade e com desenhos na parede, fiquei em prantos por algumas horas.
            No dia seguinte, não chorei, talvez no primeiro dia tivesse tido medo da minha mãe não voltar. Na EMEI Raio de Sol, divertia-me muito, principalmente com um barranco de grama que nós (os alunos), subíamos e descíamos correndo. Próximo a tal barranco, havia balanços, rodinhas, escorregadores, gangorras, trepa-trepa e tanque de areia.           
            Passávamos pouco tempo na sala de atividade, pois usávamos mais o espaço externo, era comum irmos até o pátio e confeccionarmos brinquedos com sucatas, que podiam ser levados para a casa. Constantemente, sentávamos  no chão em círculo e cantávamos músicas tradicionais (como o pintinho amarelinho, atirei o pau no gato, borboletinha, mestre André entre outras).
            Cada dia eu chegava à escola com um penteado diferente (feito pela minha mãe) e na festa junina ela colocava um chapéu com trancinhas na minha cabeça. A alegria da festa era mais dela do que minha, pois eu não gostava de dançar e às vezes ficava parada no meio do pátio enquanto todos dançavam.
             Recordo-me que na educação infantil, queria muito uma mochilinha para levar para a escola. Após alguns dias, meu pai disse que tinha comprado e tinha escondido na sala da minha casa, procurei bastante até que encontrei, fiquei muito feliz com a tal mochila que me acompanhava todos os dias na escola e dentro dela minha mãe colocava roupas (para o caso da professora precisar trocar).
            Após dois anos, mudei de casa e consequentemente tive que mudar de escola, passando a ser matriculada na EMEI “Ciranda Cirandinha”, adaptei-me rapidamente e a escola para mim era parecida com a anterior.


Amanhã continuo :)